Entre Quatro Paredes e Nada Mais LIVRO

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Pais congelam cérebro de filha morta para tentar ressurreição no futuro

ReproduçãoReprodução

Não há para um pai e para uma mãe dor mais forte do que a causada pela morte de um filho. O sinal da invasão da ordem natural das coisas, na maioria das vezes, é muito mal aceito pelos parentes.

Pensando nisso, os pais da pequena Matheryn Noavaratpong, de dois anos, tentaram reverter a situação. Por conta disso, a pequena tailandesa se tornou a mais jovem pessoa a ser congelada por criogenia.

“Assim que ela ficou doente, surgiu imediatamente a ideia de que deveríamos fazer isso por ela, por mais que seja impossível hoje em dia. Fiquei realmente dividido quanto a esta ideia, mas precisava me agarrar a ela. Então, expliquei tudo para minha família”, conta Sahatorn, o pai da menina.

ReproduçãoReprodução

O pai foi convencido por médicos de que essa pode ser a maneira de ter sua filha de volta em um futuro não tão distante. Einz, como era chamada pela família, foi vítima de um raríssimo e agressivo câncer no cérebro.

A criogenia é uma técnica na qual a pessoa é colocada em um estado de congelamento profundo para que, em algum momento do futuro, seja ressuscitada. No caso da menina, o cérebro foi congelado na expectativa de que se encontre um novo corpo.

“Como cientistas, temos 100% de confiança de que isso [ressuscitar pessoas pela criogenia] será possível, acontecerá. Só não sabemos quando. No passado, poderíamos dizer que levarias 400 ou 500 anos, mas, agora, podemos imaginar que será possível em 30 anos”, afirma o pai.


ReproduçãoReprodução


Com a certeza de que um dia o procedimento vai dar certo, a família da pequena Einz já se planeja para o momento em que ela ressuscitar. Por isso, faz diversos vídeos nos quais explica a situação para a criança caso ela volte à vida em alguns anos.

Os pais da menina são tão crentes no processo de criogenia que devem passar por ele quando morrerem. Nesse caso, os dois sabem que dificilmente voltariam a encontrar a filha. Mas, mesmo assim, não desistem: querem apenas que a pequena Einz possa, no futuro, viver e aproveitar a vida.