Entre Quatro Paredes e Nada Mais LIVRO

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

HANGRA REIS E O MISTÉRIO DA PEQUENA BAILARINA






BIOGRAFIA
Final do século XIX, no dia 13 de maio de 1888, em pleno dia onde extingue-se a escravidão no Brasil.
Uma menina, filha de escravos já alforriados consegue sobreviver a um parto extremamente difícil que acarreta na morte de sua mãe, Antônia.Os donos da Fazenda Progresso, o Barão Heleno de Bourbon primo em segundo grau da família da corte francesa, agraciado em bens e sua esposa a Baronesa Belina, que jamais conseguiram ter filhos, haja vista que os que nasceram foram natimortos. Sempre conhecidos por ser tão solícitos aos seus criados, porque foi um dos pioneiros a reconhecer o trabalho e pagar em moeda corrente pelos préstimos daquele povo africano. Decidiram para o assombro de toda comunidade Carioca da época adotar como filha menina que nascera naquele dia, chama-la de Hangra Reis do Brasil sobrenome que os pais adotaram quando aqui chegaram da África.
Hangra Reis fora uma homenagem que a Baronesa desejou fazer ao vilarejo Angra dos Reis - Estado do Rio de Janeiro, que tanto amava e que para si o local que mais dignificava o solo sagrado brasileiro. Hangra recebeu a melhor educação que o poder aquisitivo da época comportava, no entanto, muitas vezes esbarrou no mesmo contexto:
O preconceito Racial.
Era intolerável para a sociedade aristocrata da época aceitar um casal de senhores feudais ter como filha além de adotada também negra.Contudo, isso jamais impediu a menina que virou adolescente e então mulher, dominar seis idiomas, completar os estudos, formar-se com louvor em direito inda que tivesse que assistir algumas aulas no fundo da sala com dois metros de distância da penúltima fileira por exigência dos demais pais e mestres e sendo a única mulher e negra dentro da sala.No entanto, em seu coração ela incansavelmente teve o mesmo ideal, investigar casos cujos não havia explicações ou era absurdamente abafados dadas as circunstâncias ora política ora socioeconômica dos indivíduos envolvidos.
Seu pai era reticente quanto a isto, no fundo o Barão julgava que filha conseguiria uma vez sendo mulher e principalmente negra.Após a morte de Belina, sua mãe, ele também logo sucumbiu deixando todos os bens para sua única herdeira,Que vendeu a propriedade, e atirou-se a sua jornada crendo que essa era sua sina e paixão.

Hangra estava prestes a despertar em sua mansão no bairro do Catete no dia 23 de fevereiro de 1908 quando um estrondo rompeu o silêncio não só da jovem investigadora como também dos demais moradores de sua casa.
—Homessa!—gritou batendo na cama. — o que foi isto? — erguendo—se pondo o penhoar sobre sua camisola.
Bento veio logo batendo na porta de seu aposento tomado pela preocupação:
—Hangra! Hangra vosmicê está bem?
Imediatamente a silhueta da bela dama negra fez o coração do apaixonado Valentim sossegar.
—Graças a Deus!— pondo a mão sobre o peito e logo atropelado por ela e suas perguntas com aquele tom autoritário implícito:
— E Donana? Repousou os olhos nela Bento? Jaze bem? Por que me tomas! Anda homem e me ajude a saber dela e dos demais! — Essa era Hangra Reis do Brasil, uma mulher à frente de seu tempo e de seu mundo.
Foi no pequeno aglomerado na sala que soube que não somente Donana, como também os demais que com ela viviam e trabalhavam estavam todos, sem exceções a salvo.
—Pelos céus, que chongas foi essa?— reclamou Bento coçando a cabeça enquanto Hangra ia se direcionando de onde o estrondo se originara e foi lá que gritou em alto e bom som:
—Achadego! — expressão usada para coisas encontradas. Todos reuniram-se a sua volta, saindo do fundo da lareira com uma espécie de pacote.
—Mas que baraço é esse? —indagou Vicentin aludindo ao tipo de nó que se dava ao enforcado.
—Ave Marias, depois das... — rebateu Donana fazendo sinal do sino para rezar 3 vezes.
Hangra serena como sempre abriu espaço indo até a mesa da sala de jantar e abrindo cuidadosamente a tal encomenda e logo que repousou os olhos negros como jabuticabas maduras suspirou profundamente e arguiu:

—A-la-mar com certeza! — outra expressão da época para algo que ia além mar, além de nossa compressão. Lá havia uma carta e um desenho impresso numa espécie de papel cartão. Alguém jogara aquilo em sua casa.





—Hangra! —reagiu o parceiro. — Como pode esta mulher estar falando a verdade? –tomando o quadro com a pequena bailarina disparou:_ me parece um bem de raiz não é qualquer um boquirroto que tem condições de mandar pintar um quadro de um filho a óleo inda mais em aulas de balé!
—E se ficar aqui parara ouvindo suas conjecturas boçais saberei quando e onde está a verdade senhor Bento Vicentin? — arqueando a sobrancelha esquerda, um jeito muito peculiar de evidenciar sua insatisfação.
O moço saiu umas pisas duras e tratou de fazer o que lhe fora imputado.
Donana só esboçou um sonoro:
_Elaiá!
Uma hora e meia depois Hangra Reis acompanhada por Bento e às turras de seu cenho aportaram no endereço do bairro afastado e carente da Capital carioca.
—Desejo estar com a senhora Judith Braga.— disse a moça sendo ignorada pelos poucos que passavam, o preconceito não era elitizado, mesmo os menos favorecidos eram submergidos e impregnados por ele. Ali, a sua frente, jazia uma negra livre, com roupas de brancos, com posses e voz altiva.
Bento a fitou querendo tentar, e logo que fez o mesmo alguém gritou:
—Pensão acima, vire a esquerda!
A  jovem investigadora retrucou em alto e bom som:
—Se talhar meu braço o sangue é de cor vermelha, há alguém aqui que possui um de outra cor? —Hangra sussurrou entrando na carruagem: Agradecida Bento.
—Por nada.
—Eu creio que haverá um dia neste país que uma pessoa de bem não será julgada pelo seu credo, por suas posses nem por seu intelecto e principalmente pela cor que carrega na pele.

A casa era humilde. As pensões, na verdade cortiços eram muitos comuns naquela época. Um misto de cidadanias invadira o local hoje conhecido como Lapa. Era comum que nestes cortiços, bordéis se aglomerassem e meretrizes judias e italianas se engalfiassem pela clientela, daí também as frequentes visitas das Diligências o que hoje conhecemos como Polícia vinham apartar os arranca-rabos e então surgiu outro termo de nossa língua mãe foi concebido. Tudo começou com as prostitutas judias que vieram para o Brasil no final do século XIX e começo do século XX, elas falavam iídiche, a língua dos judeus da Europa Central. Quando achavam que um cliente tinha doença venérea, falavam ein krenke (krank significa "doente" em alemão). Nascia assim a palavra "encrenca”, porque os brasileiros da época entendiam que tal menção era feita para avisar sobre a chegada das Diligências usada desde então no português do Brasil para designar uma situação difícil.
A senhora tinha um peso no olhar inconfundível. Dispensava qualquer apresentação.
Convidou-os para entrar em seu quarto apertado e o se acomodaram. Judith rompeu o silêncio:
—Me disseram que a senhorita viria. — ela era ruiva, ela muito alva e bem sardenta e dedos comidos por unheiras de tanto lavar roupas para fora em troca de comida e trocados para não se prostituir.
Reis foi direto ao ponto:
—Como espera que eu ajude sua a senhora?
A mulher desabou a chorar. Bento emprestou gentilmente o lenço da lapela de seu paletó. Minutos se passam a senhora se refaz.
—Anete não vivia comigo. Vivia com a madrinha em seu bairro senhorita Hangra. Ela é uma madama de posses e desde que minha menina desmamou foi entregue a ela de comum acordo.
—Então tinha acesso a sua filha?— rebateu a investigadora.
—Sim. Sempre! Inclusive me chamava de mãezinha... — emocionando outra vez.
—E que houve?— Rendeu-se Bento ao assunto.
—Tudo que sei é que naquele dia minha Anete nesta posição ao qual foi pintada e em seguida, ao voltar ao à sala jazia seu corpo inerte e sem seiva alguma. Um facínora a assinou num golpe frio e cruel, degolando-a como uma ave para a ceia!
—Acalme-se. — Rogou Hangra. — E a mãe adotiva?
—Ela é sobrinha da Baronesa de Campos. Seu nome é Francisca do Carmo.
—A senhora do juiz Antunes do Carmo?— espantou-se Vicentin. Antunes era um dos homens mais poderosos da Capital de São Sebastião do Rio de Janeiro.
—Aquieta-te Bento!— impôs Reis. A preocupação era plausível, Antunes odiava Hangra Reis e toda sua história e esta animosidade era declarada aos berros por pelo mesmo.
—Hangra,pelos céus não se meta com este homem!— bradou Vicentin.
Ela o desprezou e foi enfática em sua ordem a mulher:

—Apanhe seus pertences, se quer realmente minha ajuda preciso que confie em mim e venha comigo,mas saiba: Estando ao meu lado toda e qualquer guarida até então oferecida por sua comadre e seu marido certamente lhe será cortada!
—Quero um esclarecimento pela morte de Anete senhorita Hangra!— indo arrumar seus pertences.
—Você enlouqueceu? — balbuciou Bento.
—Acha mesmo que vou passar um caso desses as claras?
—Deveria! Hangra, vosmicê deve considerar isto, eu rogo!
— Pense Bento,não se deixe levar pelas circunstâncias!
—Homessa! Do que falas?
—Porque será que sendo Francisca uma madrinha tão boa e deixando livre o acesso de Judith a filha não a tirou deste pardieiro? Hã? Debaixo deste angu há caroços Vicentin e eles não são torrões de açúcar. Dois mais dois ainda são quatro meu caro!
A volta para casa fora tranquila. Fica notório o quanto Judith encontrava—se em estado de êxtase diante da elegante carruagem de Hangra e seu olhar inda mais fulgente ao ver o tamanho de sua majestosa mansão no Catete.
Bento foi o primeiro a descer e amparar as damas ao solo.
—Sua casa é de fato um primor senhorita Reis! — proferiu a Judith. Hangra rebateu com um tom especulativo:
—Não tão diferente da casa de sua comadre a senhora Francisca do Carmo.
—Que isso senhorita? Deverás mais refinada! Vê-se mesmo que és uma pessoa de posses como falam.
Ao adentrar Donana que era por costume desconfiada e de gênio difícil ao ver a visita deixou os lábios em bico e pondo as mãos na cintura investigou:
—Quem é essa aí?
—Uma visita Donana. — respondeu Reis retirando as luvas e o chapéu e os acomodando num aparador no hall de entrada. — Seu nome é Judith Braga.
—A tal que jogou a carta e quase matou nós tudo é?
—Em carne e osso. — Objetou Hangra deixando claro que sua implicância em nada mudaria a situação. — Prepare um dos quartos de hóspedes Donana. A senhora Judith ficará alguns dias conosco.

— O defunto quando encontra quem carrega o caixão sempre se sacode... — pondo-se a desatinar palavras confusas como de costume quando contrariada.
Após acomodar a convidada Hangra Reis chamou Vicentin ao escritório para uma conversa a portas fechadas:
—Então, algum confábulo? — indagou Bento olhando seu relógio de bolso e o repousando no paletó no bolso interno do lado esquerdo.
—Preciso que vá ao cemitério e encontre o jazigo da menina. Quero saber o lote ou quadra, número, tudo! — Vicentin suspirou fundo, conhecia a moça, alcançava que certamente ela já deveria ter desenvolvido uma linha de raciocínio para aquele caso que embora semelhasse simplicidade apesar de atroz tendo em vista como se dera, certamente era um ninho de mafagos.
—Posso saber o motivo?
— Após entregar-me iremos até lá com Judith e de lá a Comarca da Cidade.
—Para?
—Pedirei a exumação do corpo de Anete.
—Vosmicê o quê? Enlouqueceste Hangra Reis? – Adentrar num caso dele já é em si um sandice e não satisfeita quer pedir a exumação? De fato, queres barulhos, tocas o sino da igreja oras!
—Bento, o que ainda fazes a minha frente? Mexa-se! Tudo isto é para este dia. Marcha!

E lá ia Vicentin, outro contrariado do dia. A questão era compreensível, naquele tempo pedir tal procedimento já era considerado problemático e de uma criança então um ato repugnante perante a Igreja, que considerava os pequeninos como seres in—corruptos, ou seja, puros e violar seu túmulo era como profanar a memória de um anjo. Essa era a parte religiosa da questão, ainda haveria o conflito de interesses afinal tratava—se de mexer diretamente no vespeiro conhecido como Juiz Antunes Do Carmo, um inimigo declarado de Hangra Reis sem nenhuma explicação aparente.
A porta rangeu e a figura imponente de Hangra rompeu o silêncio de Judith que deslumbrava pela janela o jardim da casa da investigadora.
—Vossa permissão Judith?
Num súbito susto virou—se respondendo:
—Ora veja senhorita Reis que careça pedir permissão para adentrar em vosso próprio lar.

—Gostaria que se arrumasse Judith, iremos ao Mausoléu de Anete, cri que seria um bom momento para aliviar sua dor ou me equivoquei? — levantando um ar investigativo.
—Mausoléu senhorita? — a mulher espantou—se.
—Sim. Algum problema? – pesquisou Hangra remexendo a maçaneta.
—Minha Anete não foi enterrada no Mausoléu da Família Carmo. Meu anjo jaze num sepulcro dos bastardos. – Que era uma ala do cemitério destinado aos filhos provenientes de ralações fora do casamento mas que foram de algum modo ou criados ou mantidos pelos pais, que costumavam passar como padrinhos.
Hangra somente parou refletindo e em seguida falou—lhe:
—Apronte—se. A carruagem já nos espera, nos encontraremos com Bento que lá já nos
Na carta havia escrito.
Peço a quem encontrar este pedido,havendo fé em mim que seja a Senhotita Hangra Reis do Brasil, ache forças para com ele desvendar este que foi o último momento de minha pequena Anete. Que se foi pelas mãos de um selvagem, que um talho forte em sua garganta ceifou lhe a vida de minha pequenina. Não tenho recursos senhorita Reis, mas soube que o senso de justiça lhe absorve, então rogo a sua clemência e aceite esse caso e dê um pouco de paz ao meu inquieto coração de mãe.
Judith Braga.
Rua do alfineiros,Brejo Alto.
—Bento, mande preparar a carruagem, vamos sair e visitar esta senhora.


Na chegada ao cemitério Bento Vicentin ainda não havia abordado, então, as duas se dirigiram ao sepulcro da menina uma vez que Judith sabia onde se localizava. Hangra deixou com Joaquim, o cocheiro, a ordem de onde as encontra-la depois de anotar o endereço que Judith deu prontamente.








Túmulo de Anete no Sepulcros dos Bastardos


De fato o jazigo da menina, a pequena bailarina estava na parte mais afastada da morada dos mortos. Um lugar esquecido pelos homens e seus passados perturbadores. Judith emocionou-se ao vê-lo.
Hangra abaixou repousando sobre a lápide botões de rosas brancas. Assim que Reis deu a mãe um lenço para conter suas lágrimas, Vicentin chegou afoito e já indagando a investigadora num canto.
_Por que me mandou descobrir onde a menina tinha morrido se sabia que a mãe conhecia o lugar?
Hangra sorriu e fez sinal para que seu assistente a seguisse de volta a Judith.
_Judith, desculpe mas a pergunta que não me cala precisa ser expurgada. - Hangra referia-se ao fato da menina ter sido enterrada naquele local o que sugeria que a paternidade de Anete fosse do então Juiz Antunes do Carmo.
A mulher fechou o cenho, respirou fundo e principiou a falar desatinadamente:
_Senhorita este é um segredo que jurei levar para além túmulo! – o que fez Valentin compreender o intento de Hangra. Era óbvio que a mãe saberia onde a filha estaria enterrada, assim como teria que expor o tal segredo se realmente fosse o intento de fazer justiça e de cara já podia alcançar o pretexto pelo qual tão bondosa madrinha nunca a impediu a visitação e certo contato com a criança, entretanto nunca o tirou da sarjeta dos cortiços.- Me envolvi com Antunes na vinda das Minas Gerais para cá senhorita. A senhorita deve conhecer os boatos a respeito dele.
_Que boatos? – averiguou Bento.
_O Juiz Antunes do Carmo é também conhecido como o Senhorio dos Bokmanis - palavra não localizada nos dicionários consultados; provavelmente trata-se de alguém ligado ao comércio de escravos na Costa das Minas Gerais.
_Tráfico de escravos? – ressaltou Vicentin.
_Mas que trazes acima do pescoço, Homessa? –disparou Hangra Reis.- O que fases com está cabeçorra que não prestas atenção alguma ao que está em vossa volta homem? Antunes é Senhor Mor Bokmani fecha a bora pela sua posição de social e é fato que possui um imenso Cabedal. – que eram grossos dízimos, foros ou pensões.
Judith concluiu:
_Tenho certeza que minha Anete foi assassinada a mando de um dos dois.
_Possivelmente-Adiantou-se Bento com mãos na lapela.
O que Hangra reprovou com um olhar. Dias se passaram e um alarido tomou a cidade, pois sendo advogada, Hangra soube manejar as leis ao seu favor e evitar que Antunes tivesse acesso ao seu pedido de exumação do corpo da filha como Juiz. No dia da exumação, todos estavam presentes, Hangra Reis, Bento Vicentin, Judith, a madrinha de Anete, o Padre a pedido da Madrinha e o Médico a pedido da investigadora.
Quando o corpo foi trago e colocado na sala cheia de barras de gelos para diminuir o odor da putrefação, porque era dessa maneira que as coisas eram feitas.
O médico ficou a posto esperando as perguntas de Hangra que era fulminada pelo Juiz que chegou atrasado juntando-se a esposa que era consolada pelo padre.
_ Violar o descanso de uma criança! A senhorita teme a Deus? – Soltou o padre.
_Sim padre. E como Ele gosto das coisas bem esclarecidas.
_Infame!– disparou o Juiz, cuidarei que pague por isso Senhorita Hangra Reis do Brasil.
_Tem algo a ser escondido caro Juiz Antunes? Refiro a este caso logicamente, pois bem sei que tens e muito a ocultar dos olhos de nossa Nação, falo algo inapropriado? – caminhando frente ao corpo da menina continuou:_ Ainda há algo que preciso elucidar antes de avançarmos neste caso. Fui procurada pela senhora Judith que se apresentou como mãe biológica de Anete, segundo a mesma, a garotinha foi fruto de um caso entre ela e o nobre Juiz aqui presente, o que se confirmou onde a pequena foi enterrada, nos Sepulcros dos Bastardos que dispensa de minha parte explicações. Dito isto, nobre Doutor Sebastião, o ferimento que matou Anete foi em qual direção?
O homem examinou o corpo inocente e respondeu:
_Da esquerda direita senhorita Reis.
_Perfeito.- expôs Hangra.
_Com que tipo de objeto?
_Provavelmente lâmina muito fina, mas profunda.
_Interessante.- objetou a moça outra vez. O senhor se atreveria dizer mais sobre tal objeto? Faca? Punhal? Estilete?
_Nenhum deles com certeza. Foi um elemento mais fino e pontiagudo.
_Entendo.- obtemperou Reis andando de um lado a outro. _ Senhora Francisca Do Carmo,naquele momento em que Anete parou para ser pintada saberia nos contar para onde lançava seu olhar?
_Sim. A frente dela estavam meu marido.
_Sozinho?


A mulher o olhou sério e fez uma revelação capciosa:
_Pelo que vi, do ângulo que me encontrava, havia alguém conversando com ele atrás da cortina do lado esquerdo, mas não sei quem, não vi a pessoa.
_Só mais uma coisa senhora...A credita que seu marido seria capaz de matar a filha bastarda por alguma razão?
_Jamais. Antunes é um homem de poucas palavras porém, sempre foi muito carinhoso com Anete como eu também.
Foi quando Judith se pronunciou:
_Vosmicê? Faça me rir! Aturou minha Anete goela adentro como licor de bacalhau, em tempo algum teve por ela, amor de mãe!
_Judith...Sempre amei Anete como a filha que não pude ter.
_E as escoriações que meu anjinho apresentava pelo corpo? Machas, hematomas? Como paravam nela?
Hangra interferiu.
_Como eram essas lacerações senhora Judith?
_Digna de pena. Todas! Não suporto se quer lembrar.
Hangra olhou o corpo da menina e depois de analisa-lo pediu ao médico que o tapasse e o levasse para um local privado do que seria revelado. A senhorita posicionou-se no meio da sala e foi enfática:

_O assassino de Anete encontra-se nessa sala senhores.

- Foi quando o Diligência surgiu com alguns guardas para efetuar a prisão previamente avisados por Reis.
_Como pode ter tanta certeza? – Perguntou o padre.
_Dados, dados, dados, não faço tijolos sem barros Padre. - gracejou sem perder a seriedade que a questão exigia.
Todos emudeceram afoitos.
_O assassino de Anete foi muito perspicaz. Inclusive porque premeditou o crime, uma vez que sabia que naquele dia o quadro da menina estava sendo pintado e como qualquer criança,lançaria seus olhos encantados para pessoas que amava, por isso lançou o olhar para o pai, o Juiz Antunes do Carmo.
_Como ousa Hangra Reis? Acusar-me de matar minha filha?
_Só pode ter sido vosmicê! Monstro! -berrou Judith.
_Antunes!!!!-Do Carmo caiu nos braços do Padre foi quando o Chefe de Polícia volveu-se a ele para prendê-lo e Hangra o impediu arguindo:
_Permita-me terminar. - A jovem prosseguiu:_ Entretanto, isso não faz do Juiz o chacino da pequena bailarina.
_Quem então? Ela era bastarda. Como explicaria a filha bastarda sendo um juiz? Se não foi ele, quem mais poderia cometer tamanho ato?– questionou Bento afoito como todos os outros.
Hangra deliberou:
_Sabe há curiosidades muito pertinentes no corpo humano. Imaginem que uma pessoa que é canhota, tem por hábito em reflexos ocultar-se sempre no lado esquerdo. Assim também como toca e usa coisas no dia a dia, e segue ao agredir ou para defender-se, o canhoto sempre sucede do mesmo modo, para direita. E o homicida de Anete era esquerdo. Também era ambicioso, coisas suntuosas, belas, como casas de alto de nível por exemplo. Naquele dia fatídico certamente seu executor tentou remediar algo com Juiz Antunes, ele não aceitou o fato de ser meramente excluído e decidiu romper com o silêncio que seria além-túmulo. - Lançando o olhar para mãe que transformou o semblante de dor em surpresa e deixou escapar num balbucio:
_Como soube?
Hangra parou rente a ela a enfrentou cara a cara:
_Percebi que era canhota desde quando li sua carta jogada em minha casa senhora Judith, mas aquela persistente inclinação para esquerda no topo dos tis, traços e assentos são reveladores, o que confirmei quando fomos apresentadas. Como pegou a xícara, como apoiou-se para adentrar na carruagem. Todavia, foi o seu deslumbre pela minha residência que me observa-la mais de perto. De repente sua tristeza de uma mãe justiceira diante dos mimos que o dinheiro pode nos dar confesso fez mostrar o quanto sua cobiça era notória. Tudo em meu lar era tão lindo aos seus olhos. Fulgente mesmo foi quando lhe emprestei o lenço diante da lápide de Anete, mais uma vez a senhora o apanha com a mão esquerda e ao me devolver percebo que jazia seco, perguntei-me para onde foram aquelas lágrimas tão copiosas e absorvente a instantes de mim? A senhora Judith jamais amou Anete fez dela um moeda de troca, que com o tempo viu que não seria tão simples assim. Haja vista também que as escoriações que cometeu na menina eram na intenção que o pai voltasse contra sua esposa por maltratar a filha e quem sabe ter uma nova família com a costureira.Por isso naquele dia em que o quadro foi pintado foi também a última que visitou o Juiz conversando com ele no lado esquerdo da cortina para onde a filha olhou porque certamente a viu ou ouviu sua voz. Anete não olhou para o pai, o que prendeu sua atenção foi a mãe.
_Mas por quê vosmicê? - quis saber o Juiz.
_Ela sabia do entrevero entre nós Juiz Antunes, supôs que faria de tudo para incrimina-lo.No entanto, esqueceu que procura a justiça seja como ela for e não cartas marcadas.
_Mas como matou a menina?
_Um corte producente da esquerda para direita, de uma lâmina fina, uma agulha.Que mais um lavadeira e costureira pode ter em casa para cometer tal ato. Minto Doutor?
_Não, uma agulha seria completamente compatível com os machucados.
E foi quando os guardas a prenderam e a levaram.
Na saída Antunes veio ter com Hangra:

_Obrigado.De fato Judith vinha tentando convencer-me algum tempo dos maus tratos que Anete sofria,ela alegava a minha senhora,contudo via como Chica amava minha Anete.E naquele dia foi mesmo ela quem conversava comigo as escondidas,mas nossa bailarina viu.Numa das inúmeras ameaças que me fez,disse que muito me arrependeria,no entanto em tempo algum cogitei tal desgraça,ela sempre aparentou amar a criança.E depois se foi.

_Não tem que me agradecer, fiz isso em memória de sua filha. Agora a pequena bailarina poderá dançar nos céus dos anjos e em paz. No entanto, se quiser realmente agradar-me Juiz, dê a sua filha o lugar que merece. Um funeral justo, repouse seu corpo no Mausoléu de sua família porque é lá que Anete deve ficar.
Dias depois O casal Carmo refez o funeral da menina. E ao sair do cemitério Hangra e Bento que foram convidados de honra, trocavam palavras quando a moça descontinuou os passos como quem vira algo.
Um ar correu entre os dois,o ar ficou mais leve,um ruido como uma gostosa gargalhada se perdeu.
_O que foi Hangra? - investigou Vicentin que nada via onde ela repousava o olhar.
_Nada. Só me emocionei por um instante.
_Por quê?


_É assim que me sinto toda vez que posso ver uma bailarina dançando - respondeu abrandada pondo-se a conversar outra vez.