Entre Quatro Paredes e Nada Mais LIVRO

terça-feira, 3 de junho de 2014

Porto Seguro por Danka Maia








Eu sempre soube que podia ir.
A liberdade jazia ali,

Mas meu futuro era tão perto,

Assim do meu lado, você de certo.



Atracar em portos,

Voar longe,
Pisar em terras que não conhecemos,
Eu tinha asas,
Mas quem precisa delas,
Quando o que mais deseja,
Ali em rumo,
Jaz lampeja.



A tua calma era a minha esperança.

O teu olhar o meu jazigo.
A tua força a minha luz
O teu contexto era teu mundo,
Também recolhia meu porto seguro.



No entanto há um dia,

Que a data não avisa,
Que a hora não marca,
Que a intuição falha,
Porém, sem dó,
A dor vem.
Eu tive que ver você ir.
Te permitir voar,
Além de mim,
Além do mar.



Mas cá estou,
E irei ficar,
Porque aqui é meu lugar,
E se um dia,
Você vier,
Meu coração sossega,
Minha vida torna,



Meu coração bate,
 Minha essência torna,
Meus pés volvem ao chão,
Meu espírito se aquieta,
A paz desce do muro,
De novo tenho,
Meu porto seguro.