Entre Quatro Paredes e Nada Mais LIVRO

terça-feira, 3 de junho de 2014

INTENSA POR NATUREZA por Danka Maia

Eu tive um homem,
Que por um segundo,
Parou seu mundo,
E fez-me dele assunto,
Rainha torta,
Bruxa direita,
Fui sua seita,
Seu vinho podre.
Fui clemência,
Abstinência,
E o teu pescoço quando no meu roçava,
Eu era sim,
A indomável,
A inconveniência de domar, tomar e beber do que era dele!
E sem saber, querendo ser,
Fui ficando...
Inda alcançando que o encanto uma hora
Era findo.
O vento passa e na minha natureza
Está em eu acompanhar.
Percebi,relutei,ignorei,
Mas no tardar,
Tive que ir.
Que fique claro sai dos meus lábios,
Que minha  fonte,
Jazia pura e oriunda,
Vinha dali.
Segunda pele,
Primeiro Plano,
Fui refúgio,
Deixei engano,
Fui suprema,
Nota alta,
No seu letreiro,
Eu era alfa.
Debulhei lágrimas,
E era eterna,
Chamou-me de bela,
Na verdade,
Só era mesmo
A brisa fresca
 Que pronto vinha na saída da sua janela.
Causei espanto.
Mas te confesso,
Eu me entreguei.
Eu sou intensa,
Não brinquei,
Não obriguei,
Porém a ordem deixei,
Não te enganes,
 Há muitas, de várias peles,
Mas no teu profundo,
Só uma fica,
Nele impera e tu ó Rei nela
É rélis,
O nome dela,
Será sempre o mesmo.
A tua perdição,
É Daniele.