Entre Quatro Paredes e Nada Mais LIVRO

terça-feira, 3 de junho de 2014

ESQUECER DE VIVER por Danka Maia




Pensava tanto no amanhã.
Queria tanto sua perfeição,
Queria rosto,
riso,pele,
almejava coração.

E nesse anseio, eu me esqueço,
do que tanto preciso
e careço,
O ansioso não só se perturba ,
É a própria pertubação.
E ao outro também,
E que culpa o coitado tem
De  ser eu a insatisfação?

Subi escadaria, quando eram só degraus.
Atravessei ruas, quando só carecia dar passos.
O meu suspiro se tornou  profundo,
A alegria uma alergia,
E meu sonho efêmero.

Esqueça tudo,
Isto é absurdo.
Somente viva,
Porque na finda,
É dela que você mais se vai abastecer.
E eu que era noite,
Enfim tornei-me Dia.