Boto: O Prazer Vem Das Águas no Amazon!Confira!

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Inventores que morreram com suas próprias criações

1. Morreu por respirar muito oxigênio

Em 1870, o engenheiro Henry Fleuss projetou um respirador para mergulho. Sua ideia era que o dispositivo auxiliasse no reparo de navios inundados. O equipamento era composto por uma máscara de borracha ligada a um tanque de oxigênio, porém Henry encheu os tanques com oxigênio comprimido puro, que é tóxico para os seres humanos. Afinal, o ar que respiramos é uma mistura complexa de gases, com cerca de 21% de oxigênio, 78% de nitrogênio e 1% de outros gases. Infelizmente, ele descobriu isso da pior maneira e acabou morrendo.

2. No fundo do mar

Horace Lawson era um engenheiro naval e, durante a Guerra Civil Americana, criou os submarinos “movidos a mão”. De uma maneira simples, eles funcionavam através da força, por meio de uma manivela girada por sete homens que era ligada a uma engrenagem dupla. Em 1863, o inventor decidiu conferir o funcionamento da engenhoca durante exercícios de rotina, mas um problema acabou matando todos a bordo.

3. O carro voador

O maior sonho de Henry Smolinski e seu amigo Harold Blake era criar um carro voador. O protótipo AVE Mizar estava em fase de testes quando, em 1973, as asas se soltaram, causando um acidente que tirou a vida dos dois. 

 4. Morte registrada

Franz Reichelt foi um alfaiate austríaco e passou muito tempo trabalhando na criação de um paraquedas preso a um terno. Seus primeiros testes com um boneco se mostraram satisfatórios, então Franz resolveu testar o equipamento por si próprio. Com a presença da imprensa e de muitos curiosos, Franz escolheu a Torre Eiffel para mostrar a todos sua criação. Infelizmente, o paraquedas não abriu e Franz morreu imediatamente ao bater no chão.  

5. Os carros-foguetes

Max Valier era um pioneiro em foguetes e estudava a criação de “carros-foguete”. Em 1920, suas invenções começaram a apresentar resultados positivos nos testes, até que um dos carros, movido a álcool, explodiu e matou Max. 

6. Elementos radioativos

Marie Curie foi a primeira mulher a ganhar o prêmio Nobel. Suas pesquisas trouxeram grande avanço à química, com a descoberta dos elementos rádio e polônio. Na época, não se sabiam os efeitos negativos das radiações no organismo. Marie, que trabalhava sem qualquer proteção, acabou morrendo devido a uma leucemia causada pela exposição a esses elementos.

7. Sacrifícios pela evolução

Conhecido como o “Pai do voo planado”, Otto Lilienthal foi um pioneiro na história da aviação. Seus estudos sobre os pássaros e a curvatura da asa foram essenciais para a base da aeronáutica. De 1891 a 1896, Otto realizou cerca de 2 mil voos planados, mas, em 10 de agosto de 1896, ele caiu de uma altura de 17 metros e quebrou a espinha dorsal. Suas últimas palavras foram: “Sacrifícios precisam ser feitos”.

8. Sufocado por cordas

 Thomas Midgley Junior foi um grande engenheiro e químico americano. Ele desenvolveu o tetraetilchumbo (TEL), um aditivo à gasolina, e também alguns dos clorofluorcarbonetos (CFCs). Da mesma forma de Curie, ele ficou doente pela exposição a componentes químicos. Com dificuldades para se mover, projetou um sistema de polias e alavancas para ajudá-lo a sair da cama, porém acabou sufocado até a morte por uma das cordas.

9. Corrida mortal

O engenheiro e piloto de automobilismo J. G. Parry-Thomas sonhava em ter o carro mais rápido e conquistar o recorde de velocidade terrestre. Sua criação, o veículo BABS, tinha várias modificações, como uma área que deixava o motor exposto. Durante uma corrida, uma das correntes se soltou e atingiu em cheio o pescoço de Thomas, o que praticamente o decapitou.