Boto: O Prazer Vem Das Águas no Amazon!Confira!

sexta-feira, 6 de março de 2015

"Sei que faço a coisa certa", diz diretora de ONG que envia abortivos pelo correio para o Brasil

Confira a entrevista dada a Revista Marie Claire.

Organização Women on Web dá orientações online sobre aborto caseiro a mulheres do mundo todo e envia Cytotec a alguns países. A fundadora, Rebecca Gomperts, fala sobre a iniciativa a Marie Claire.


Rebecca Gomperts, a fundadora do Women on Web (Foto: Divulgação)
Rebecca Gomperts, 48 anos, é uma médica holandesa mãe de dois filhos. Ela tinha 19 anos quando conversou sobre aborto pela primeira vez: uma de suas amigas decidiu interromper a gravidez e foi até uma das clínicas operadas pelo sistema de saúde público em Amsterdã. A segunda vez que Rebecca enfrentou o tema, porém, foi bem diferente. Ela fazia residência como estudante de medicina na África e viu entrar, na clínica onde atendia, uma mulher com hemorragia, machucada por um aborto clandestino. A cena se repetiu dezenas de vezes. “Elas chegavam já morrendo”, lembra.
Em 1999, recém-formada, decidiu fundar a ONG Women on Waves (mulheres sobre ondas) e ficou famosa por navegar na costa de países onde o aborto era proibido, como Marrocos, Polônia e Portugal (que legalizou a prática em 2007). Enquanto era recepcionada às vezes por navios de guerra, a ONG esticava sua prancha para receber a bordo grávidas decididas a terminar suas gestações. Uma vez no mar, navegando em águas internacionais onde vale a lei holandesa, um grupo de médicos atendia a vontade dessas mulheres.
O ativismo migrou para a internet nos anos 2000, e a ONG foi rebatizada de Women on Web (mulheres na rede). Agora, opera uma espécie de linha direta tirando dúvidas sobre aborto seguro e, em muitos casos, enviando remédios abortivos a países onde eles são ilegais. Isso inclui o Brasil. Dos 8 mil pedidos de ajuda que a ONG diz receber por mês, mais de 1 mil são de brasileiras.
Em entrevista a Marie Claire, Rebecca mostra seus argumentos para continuar ensinando a fazer aborto caseiro via internet e comandando ações que burlam leis de muitos países – e já renderam censura em sites como Facebook e Twitter.
A médica em ação (Foto: Divulgação)
 
MARIE CLAIRE – Por que você ensina e ajuda mulheres a fazer aborto caseiro?
REBECCA GOMPERTS – Porque isso salva vidas. A maioria das mulheres não sabe que podem fazer um aborto com remédios e, se sabem, não sabem como. Nós usamos todas as táticas possíveis para dar informação sobre isso.

MC – Como funciona o atendimento online?
RG – Recebemos mais de 8 mil emails por mês e operamos em 11 línguas diferentes. Quando um caso chega, ele é encaminhado a um médico. Se não há contraindicação, ele prescreve a receita para o aborto médico. Aí, nosso parceiro farmacêutico com sede na Índia envia a medicação [uma combinação de mifepristone e misoprostol, o princípio ativo do Cytotec] ao endereço dela.

MC – Muitas brasileiras procuram a ONG?
RG – Mais de 1 mil por mês. Elas nos escrevem dizendo: “gastei todo o dinheiro que tinha em remédios que se mostraram falsos”. Isso é muito triste. Mesmo quando são verdadeiros, no Brasil, é tão caro comprar a droga no mercado negro que os vendedores dizem que você só precisa de dois, e dois não são o suficiente. Você precisa de 12. Há muitas pessoas tentando tirar vantagem de mulheres. É revoltante que ocorram casos como o de Jandira Magdalena dos Santos [que morreu em uma clínica clandestina no Rio de Janeiro e teve o corpo mutilado para evitar a identificação], cortada aos pedaços!

MC – Quando a ONG envia Cytotec às brasileiras, a Anvisa não barra o medicamento, já que sua venda é proibida aqui?
RG – Sim, muitas vezes os remédios não chegam. Não sabemos se é um problema dos correios ou da alfândega, se eles são roubados no meio do caminho ou quê. Até dois anos atrás, nossos pacotes chegavam sem problemas, mas agora não mais. Para ser honesta não acho que exista no mundo uma situação tão desesperadora como no Brasil. Está muito difícil ajudar essas mulheres.

MC – Fazer um aborto em casa não é muito perigoso?
RG – É 100 vezes mais arriscado levar uma gestação adiante do que interrompê-la. Você pode ter uma gravidez ectópica (quando o óvulo se instala fora do útero, como numa das trompas), morrer no parto, desenvolver diabetes. Fico perplexa quando dizem que colocamos as mulheres em risco porque o aborto, quando feito de maneira correta, é seguro. Morrem mais pessoas tomando paracetamol, que você compra em qualquer farmácia.

MC – Mas deve haver um limite de tempo.
RG – Sim. É muito perigoso fazê-lo depois da 12ª semana. Por isso aconselho as mulheres a manter um controle rígido da menstruação, para ter tempo de decidir o que fazer.

MC – Já ficou em dúvida se estava fazendo a coisa certa?
RG – De jeito nenhum. Todos os emails de agradecimento de mulheres dizendo que salvamos suas vidas confirmam que estamos no caminho certo.

Leia na Marie Claire de março, já nas bancas, a reportagem Guerrilha do aborto, sobre brasileiras que procuraram ajuda da ONG.