Boto: O Prazer Vem Das Águas no Amazon!Confira!

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Amigos que transam. Será?

Editora Globo


Não há posse, não há briga e ninguém cuida da vida do outro. também não vale cobrar a ligação do dia seguinte. O sexo é bom, a amizade existe e pode haver até algumas afinidades fora da cama. Mas fica de lado aquela cegueira inebriante da paixão, a saudade de apertar o peito e o amor. Essa é a fórmula da famosa amizade colorida, um tipo de relação sem compromisso até pouco apreciado apenas pelos homens. Até pouco. Hoje, também as mulheres têm tirado proveito dessa relação - tanto que ela foi rebatizada: P.A (leia-se pau amigo).
Então tá combinado, é quase nada. É tudo somente sexo e amizade. Não tem nenhum engano nem mistério. É tudo só brincadeira e verdade”
A letra de Caetano Veloso dá a dica: se está combinado, está valendo. É a conhecida amizade colorida ou, como se diz hoje, o P. A. (pau amigo). Aquele cujo dono é acionado nos momentos críticos, de tesão acumulado ou carência. Podem ser amigos ou só conhecidos, mas, em geral, não são material para namorado por falta de afinidades fora da cama ou simplesmente porque não deu o clique. São, na verdade, relacionamentos assumidamente sem compromisso que existem só pelo sexo — que é incrível. Ajudam inclusive a evitar a perda de critério que leva, por exemplo, a terminar a noite com um tipo totalmente errado e depois se arrepender. Parece maduro e bem resolvido na teoria. Mas, na prática, será que isso funciona mesmo? Será que as mulheres já conquistaram, assim como os homens, o dom de separar sexo de sentimento?
Para algumas sim. E elas defendem até que o mundo masculino pode ser dividido em dois: de um lado os homens que servem apenas para transar e se divertir e, do outro, aqueles para se apaixonar loucamente, casar e ter filhos. Para outras, entretanto, o sexo só vale a pena mesmo quando há envolvimento emocional, o mínimo de entrega. Só assim, dizem estas, o sexo fica realmente bom.
A psicóloga Magdalena Ramos, especialista da PUC-SP em terapia de casais, afirma que a amizade colorida não funciona para todas as mulheres por uma questão biológica. “É um divisor de águas entre os gêneros: quando ela encontra um homem com quem tem afinidades e sintonia na cama, começa a sonhar, é mais romântica, quer formar família, ter filhos. Principalmente quando estão com 30 e poucos. Eles, por outro lado, não têm data de vencimento, podem ter filhos aos 80 anos. É uma questão física, não psicológica”, diz. Eventualmente, afirma, algumas mulheres conseguem se satisfazer com sexo sem envolvimento e nenhuma perspectiva de futuro, mas a maioria não sente prazer todas as vezes com bons amigos — isso quando não se apaixonam, como no filme Sexo sem compromisso, estrelado por Natalie Portman e Ashton Kutcher, previsto para estrear no Brasil no próximo dia 25.
Das histórias de amizades coloridas — bem ou malsucedidas —, destaca-se uma regra de ouro que pode ser determinante para evitar mal-entendidos: não mentir. “A mulher, quando começa um caso e faz um acordo de não compromisso, acha que vai conseguir não se envolver. Mas isso é raro. Para ela, gostar de transar com ele é gostar dele, e o prazer requer envolvimento. Sem sentimento, é até difícil de atingir o orgasmo”, afirma Magdalena.
“Fica só a parte bacana da relação, mas não se dividem problemas, é só troca de prazer” - Maitê, 26 anos
Há quem jure, porém, que orgasmo depende de afinidade e disposição. E que amor é outra coisa. A terapeuta ayurvédica Maitê Oliveira, 26 anos, é uma delas. Conta até que, quando está namorando, apaixonada, fica mais tensa na cama. “Quando amo, fico mais preocupada em dar prazer e nem sempre relaxo. Num caso mais leve, em que não estou tão envolvida, nem me preocupo tanto com o prazer do outro, por isso me solto mais e sinto mais prazer. Porque, ao transar com um amigo, minha única intenção é ter prazer, não só agradar”, diz. Maitê foi casada, teve relacionamentos sérios e atualmente tem um P.A. “Começamos a sair e demoramos mais de um mês para conversar sobre nossas intenções. Como há sintonia e carinho das duas partes, parecia um começo de namoro. Quando notei que ele estava se envolvendo, dei uma sumida em vez de esclarecer. Tivemos de sentar e conversar. Ele ficou triste, porque pensou que ia virar namoro. Mas agora está tudo claro. O segredo é ser honesto, sempre”, afirma. Maitê é entusiasta do modelo P.A. Principalmente pela leveza da relação. “Você fica só com a parte bacana da história: não se dividem problemas, se diverte junto, dá risada e sente prazer. Se há cumplicidade, é quase ideal. Eles se assustam no começo, mas não vão deixar de sair com a mulher por isso”, diz.
E o ciúme, a posse e a carência, onde ficam? “A carência bate, mas é preciso lembrar de que foi uma opção sua. Depois passa. É preciso se livrar desses sentimentos e saber que, se ele fica com outras, você também fica. Se ele se apaixonar e a gente nunca mais sair, paciência. Faz parte do risco”, completa. Mas, segundo Maitê, a amizade não necessariamente acaba se o seu P.A. começa a namorar e isso é mais um elemento que comprova: é uma relação saudável e mais serena do que as paixões desenfreadas e possessivas. “Nas vezes em que me apaixonei loucamente, não deu tempo de pensar. Quando vimos, estávamos namorando, grudados. Aí não é racional. Mas casos assim são mais raros e costumam deixar sequelas”, diz.
Mas há quem não entenda exatamente como é possível conhecer um cara legal, descobrir afinidades, se dar bem na cama, sintonizar em tudo... e não se apaixonar. E isso nada tem a ver com geração, mas com a personalidade da mulher. A compositora e MC Nathália Valentini (ou Nathy MC) tem 26 anos, como Maitê, mas admite não lidar bem com P.A. “Quando acho alguém legal e com boa transa é impossível não ficar louca, não me apaixonar.” Por isso, diz, não gosta de transar com amigos. “Não consigo misturar e não acho que pode dar certo desse jeito.” Há oito anos sem namorar, Nathy se considera bem resolvida. “Tenho algumas histórias, mas todas com envolvimento, olho no olho. Quando acabam, acabam. Não fico me enganando e não gosto de transar sem paixão. Uma vez ou outra, ainda vai. Regulamente, acho improvável e arriscado. Mulher não é só sexo, a gente precisa de mais.” Para ela, sexo não está no topo da lista de prioridades. “Já fiquei seis meses sem transar e nem por isso enlouqueci. Acho que o trabalho, os amigos e o lazer me deixam bem. Tenho vários interesses e transar não é tão essencial, a ponto de eu sair por aí desesperada, necessitada, pegando gente que mal conheço”, afirma. Mas também não condena as mulheres que, como os homens, conseguem separar sexo de sentimento. “Eu até gostaria, mas raramente consigo lidar bem com esse sexo descompromissado. E, quando há sintonia, não evito. Eu me conheço, mas não deixo de viver as histórias, mesmo que sofra no final”, diz.
Identificar os próprios sentimentos e definir prioridades parece essencial para lidar bem com P.As. Quem tem o sexo no topo das necessidades precisa de algumas doses a mais de razão nas relações. “Depende do modo como a mulher se relaciona com o mundo. Para algumas, sexo está em quinto lugar dentre as prioridades. Aí não precisa ter pinto amigo. Para mim, sexo é essencial. Não é tudo, mas não gosto de passar muito tempo sem transar, nem consigo. Por isso, quando o amigo colorido aparece na minha vida é ótimo. É só deixar tudo bem claro”, diz a cantora Pamella Araujo, 28 anos. Para ela, há homens com quem é possível ter excelentes momentos de prazer, mas que jamais apresentaria para os amigos, por exemplo. “Tive dois ou três casos assim. E nunca minto. Digo logo de cara: ‘Com você é só sexo e amizade’”, diz.
No caso de Pamella, a barreira que separa um P.A. de um homem com potencial para algo mais sério é intelectual, ideológica até. Seu atual P.A. é um rapaz com quem teve sintonia física no primeiro encontro, mas que decepcionou ao manifestar ideias conservadores e meio machistas no bate-papo. “O encanto acabou na hora, mas percebi que nossa afinidade poderia estar numa só área e resolvi aproveitar isso. Não rejeito bons momentos de sexo. Por que rejeitaria?” Um dia, esse mesmo P.A. de Pamella surgiu na casa dela com a velha desculpa de que “estava passando por aqui”. Ela notou que ele estava com segundas intenções e abriu o jogo. “Eles se assustam quando uma mulher diz que só quer sexo. Mas não somem por isso”, afirma. Há alguns anos, a cantora viveu a situação inversa: estava saindo com um homem que viajava muito por causa do trabalho. Começou a se envolver, mas percebeu que não poderia vê-lo quando tinha vontade. “Ele definia quando a gente deveria se encontrar. Não dei conta, não consegui vê-lo como um P.A. Estava apaixonada, mas não poderia investir se era claro que ele não queria namorar, como eu gostaria. Tinha duas opções: aceitava o que ele poderia me dar e ficava à disposição ou partia para outra. Como estava envolvida demais, rompi o caso.”
“Quando uma mulher diz que só quer sexo, eles se assustam” - Pamella, 28 anos.
Pode parecer pouco — ou nada — romântico, mas não ter ilusões ou expectativas além do possível é um bom caminho para evitar a dor e viver boas histórias. E, na maioria das vezes, quando a sinceridade é mantida e ninguém se ilude, a amizade com o P.A. continua existindo, mesmo depois que a relação (o sexo, no caso) chega ao fim.
Editora Globo
Coisas diferentes: Rodrigo (à esq.) e Felipe: para eles, é natural rolar sexo quando se tem tesão pela amiga
E ELES?
A relação dos homens com suas X.As. (a versão feminina do P.A.)

Especialistas admitem: é mais comum a mulher se envolver com um P.A. do que os homens com suas X.As. Mas muitos homens afirmam, por sua vez, que já sentiram ciúme em relações sem compromisso. E que, depois de algum tempo, se envolvem, sim, mesmo que isso não seja motivo para assumir um namoro. Rodrigo Cambiaghi, 24, gerente de projetos do portal Papo de Homem, rompeu um namoro recentemente e coleciona casos de amizades coloridas que acabaram sem rancor. O mais longo durou oito meses e só terminou porque ela foi morar em outro Estado. “Até hoje a gente conversa numa boa e comenta como foi bacana a nossa amizade colorida”, diz. Para ele, esse tipo de relação não é fria, baseada só em sexo. Pode, sim, ser permeada por carinho e cumplicidade. “Minha X.A. é uma amiga querida. Saímos para jantar, vamos ao cinema, curtimos juntos baladas e shows, além de conversar sobre mil coisas, inclusive outros casos, da mesma maneira como faço com uma amiga pela qual não sinto tesão. A diferença é que a gente faz sexo, thats it!”, diz.
Mas então qual a diferença entre uma relação de amigo colorido e namorado? “Se ligasse todos os dias pra uma amiga, mandasse presentes, ficasse trocando mensagens, colocasse apelidinhos e marcasse de sair todo fim de semana ela não iria achar estranho? Pois é, minha X.A. também. Isso é coisa que só se faz com namorada.” Mas ele confessa que já sentiu ciúme de uma “ficante”. Foi quando percebeu que aquilo não era mais só uma amizade colorida. “Notei que caminhava para um namoro e decidi terminar. Assim não correria o risco de exigir mais que sexo e amizade.”
Já Felipe Ramos, 28, diretor de negócios na web, acredita que, mais do que um acordo, a diferença está na química, na sintonia. “Muitas vezes você tem uma amizade incrível com uma menina, mas quando tenta algo carnal não rola, a libido diminui. A evolução dessa constatação vai ditar se a relação caminha para um namoro ou não”, diz.
Nessa teoria toda ainda tem a questão do timing, do momento de vida de cada um, dizem os meninos. Se os dois decidiram que é tempo de ficar solteiro, a parceria pode dar certo.
Em geral esse “tempo de solteirice” acontece na entressafra de namoros. O cineasta João França, 33, lida com relações de amizade colorida há dois anos, desde que terminou um namoro sério. Uma delas durou um ano e meio, com encontros semanais. “Em algumas fases, a gente teve de discutir e esclarecer as intenções, para não magoar. Era desconfortável saber que ela saía com outros, mas tinha de ignorar essa ideia. Somos amigos até hoje, não teve mentira. Não tinha fidelidade, mas também não tinha traição”, diz. João acha que uma relação sexual entre amigos tende a ser mais honesta que um namoro convencional. Atualmente, João sente falta de uma relação mais séria. “Amizades coloridas são leves, divertidas, descomprometidas. É como uma viagem de verão. Mas verões acabam. E aí? Dá vontade de viver algo mais intenso, com mais envolvimento, apresentar para os pais, planejar viagem e ter mais intimidade.” Ah, então no fundo eles não são assim tão diferentes das mulheres. A verdade é que todo mundo quer viver um grande amor e ter alguém para chamar de seu. Só seu. 


Fonte: Marie Claire
Fotos: Tarciso de Lima