Boto: O Prazer Vem Das Águas no Amazon!Confira!

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

AS PESQUISAS MAIS BIZARRAS DO MUNDO!




porn
 MOTIVOS PARA VER FILMES PORNÔS


Não precisa mais se envergonhar e deletar todo o histórico de navegação com as páginas do PornTube. Ver pornô faz bem. É o que garantem esses três estudos sobre pornografia.
DEIXA VOCÊ MAIS FORTE
Lá pelo Reino Unido, cientistas convidaram voluntários para um teste. A tarefa deles era ver um filme pornô de quatro (hehe) minutos pouco antes de levantar peso. E repetir o exercício físico sem a dose de pornografia. Em geral, eles conseguiam erguer mais peso depois de assistir aos vídeos pornôs. Quando coletaram amostras das salivas, os pesquisadores entenderam: o nível de testosterona aumenta no sangue. E isso deixa você mais forte. Ah, filmes violentos causam o mesmo efeito.

ABRE SUA MENTE
Faz você apoiar mais o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Foi essa a descoberta de pesquisadores da Universidade Indiana, nos Estados Unidos, ao entrevistar 500 homens heterossexuais. Eles descobriram que quanto mais um homem vê filme pornô, mais ele tende a ser favorável ao casamento gay. Mas isso não quer dizer que todas as pessoas sensatas favoráveis aos direitos dos homossexuais curtam filmes pornográficos. “O apoio a esses tipos de relacionamento não serve como base para prever o consumo de pornografia. Mas o consumo de pornografia, este sim, serve para prever o apoio ao casamento gay”, diz o estudo.

AJUDA VOCÊ A TRANSAR MAIS
Pesquisadores não sabem explicar o motivo, mas quanto mais pornô as pessoas veem, mais sexo elas fazem. Foi o que descobriu o Instituto Francês de Opinião Pública (IFOP) ao perguntar aos franceses se eles costumavam ver um filminho de sexo. A maioria esmagadora (90% dos homens e 60% das mulheres) assumiu que curte mesmo um pornô. E os mais sedentos por esses vídeos também costumavam ter uma vida sexual bem mais ativa que os outros.

Mas, vale lembrar, às vezes a ciência se contradiz. E ela já chegou a afirmar que ver pornô abala a autoestima das mulheres. De qualquer forma, se esse definitivamente não for o seu caso, você já pode contar por aí o que te faz passar tantas horas por semana em sites pornográficos
Crédito da foto: flickr.com/8lettersuk


3 Estudos Científicos Para Fazer Você Gostar De Ser Pobre


dureza
Fim de mês. É provável que todo seu dinheiro já tenha se esgotado e você esteja contando os dias para receber o próximo pagamento. Dureza. Ah, se a vida fosse diferente, com dinheiro para torrar onde você bem entendesse – em viagens, restaurantes, festas… Parece bom? Nem tanto. Deixe essa ganância de lado e confira três estudos científicos que comprovam: ter dinheiro é coisa de gente chata e malvada.
POBRES SÃO MAIS BONZINHOS
Eles são mais capazes de sentir empatia e “ler” as emoções alheias do que os ricos. Foi o que demonstrou um estudo das universidades da Califórnia e de Toronto. Os voluntários mais pobres tendiam a ser mais legais com o próximo. Essa generosidade toda tem a ver com as dificuldades financeiras que eles enfrentam – e a forma como se ajudam para sair dessa. Como passam longos períodos sem dinheiro ou emprego, precisam sempre recorrer à força das relações interpessoais para sobreviver. Não é à toa que…


PESSOAS LEGAIS GANHAM MENOS DINHEIRO
Em outro estudo, pesquisadores analisaram dados sobre profissão, salário e personalidade de 10 mil trabalhadores ao longo de 20 anos. Eles vasculharam a vida alheia para descobrir se havia uma relação entre vida financeira e caráter. E existe: os homens legais (gentis, cordiais e prestativos) ganham 20% menos por ano que os chatos (em média, 10 mil dólares a menos). As mulheres chatas também levam a melhor: ganham 2 mil dólares a mais por ano. A suspeita dos pesquisadores é que as pessoas mais bacanas não costumam insistir tanto na hora de negociar salários mais altos – já os chatos ficam lá argumentando e argumentando… Mas tudo bem, gente do bem, existe ainda outro lado bom em ter pouco dinheiro:

DÍVIDAS AUMENTAM A AUTOESTIMA
Pelo menos até os 30 anos isso dá certo. Pesquisadores americanos cruzaram dados financeiros e psicológicos de mais de 3 mil jovens e identificaram um padrão: quanto mais dívidas, maior a autoestima. É que comprar o que deseja na hora que bem entende faz você se sentir bem. E aos 20 e poucos anos você pensa que ainda tem a vida inteira para pagar essas dívidas e que, em poucos anos terá mais dinheiro para quitar isso tudo. Só que, lá pelos 30, você percebe que não tem tanta grana quanto imaginava que teria… aí chega a fase deprê das dívidas


 HOMENS MENTEM PARA SE SENTIR SEGUROS








mentiroso


Cada um tem suas histórias: os gols no futebol, as fantasias sexuais realizadas, as aventuras da infância. Mas a verdade é que eles adoram aumentar os fatos. Principalmente quando querem esconder algumas incompetências…
É o que mostra uma pesquisa realizada pelo psicólogo Cary Cooper, da Universidade Lancaster. Entre os entrevistados, a cada 10 homens, sete confessam exagerar quando falam sobre suas virtudes e vitórias. E 50% assumem mentir quando o assunto envolve coisas que eles não sabem fazer.
Em comparação, entre as mulheres, só metade costuma contar vantagens sobre si. E apenas 30% delas fingem dominar algum assunto ou habilidade, enquanto, na verdade, não sabem nada sobre aquilo.
“É que o mundo masculino é mais competitivo e, por conta disso, eles parecem sofrer mais com a insegurança“, diz Cooper.




Jogos on-line deixam você mais inteligente


wow1
Bem, pelo menos deu certo com crianças de 10 e 11 anos.
Pesquisadores suecos enviaram questionários para 76 crianças. Eles queriam encontrar uma relação entre os jogos on-line e a motivação para aprender o idioma, habilidades linguísticas e domínio do vocabulário. E o estudo descobriu que os jogos melhoram o desempenho das crianças na escola, exatamente porque elas dominavam melhor o próprio idioma – no caso deles, o inglês.
É que quando os jovens se concentram nos jogos, eles precisam entender direitinho o que está escrito ou o que dizem os personagens. E é aí que aprendem novas palavras e melhoram a habilidade de compreensão de texto.
Se deu certo com crianças suecas aprendendo inglês, é provável que você também consiga dominar melhor o idioma estrangeiro enquanto interage com o jogo. Pode jogar tranquilo seu World of Warcraft.




Fumar maconha pode ser bom para o relacionamento


casal-dorga
Não me culpem. Isso é coisa da ciência.
Um grupo de pesquisadores americanos acompanhou a vida de 634 casais durante os primeiros noves anos de casamento. Eles queriam saber se algum deles fumava maconha (e, em caso de resposta positiva, com que frequência) e quantas brigas sérias costumavam ter.
Os pesquisadores perceberam que os casais maconheiros, que fumavam até três vezes por semana, eram os que menos brigavam, com menos relatos de violência doméstica. Na verdade, quanto mais maconha o casal fumava junto, menores eram as chances de terem alguma discussão mais séria e violenta.
A explicação segue a mesma lógica de outra história: aquela de que casais que bebem juntos se entendem melhor – aliás, os dois estudos foram feitos pelo mesmo pesquisador: Kenneth Leonard. Em ambos os casos, casais que compartilham os mesmos interesses costumam ter valores parecidos e fazer parte do mesmo círculo social. E, por isso, brigam menos.
Fez sentido para você?