Entre Quatro Paredes e Nada Mais LIVRO

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Apenas Um Quarto Da População Brasileira Sabe Interpretar um Texto! por Danka Maia








  
Pois é,uma análise feita comprovou que de cada quatro brasileiros apenas um sabe ou tem a capacidade plena de realizar uma satisfatória interpretação de texto.Pasmei! Fui buscar melhor a tal pesquisa trata-se dessa aqui:

O Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope)

 divulgou hoje, no Dia Internacional da Alfabetização, que 75% das pessoas com mais de 15 anos não sabem ler nem escrever direito. Neste percentual estão incluídos os analfabetos absolutos e os considerados analfabetos funcionais, que somam 68%. Segundo o Instituto Paulo Montenegro, braço social do Ibope, o número de jovens e adultos considerados analfabetos funcionais é praticamente o mesmo de quatro anos atrás.
Segundo a pesquisa, o número de pessoas que está no grupo de nível 2 de analfabetismo cresceu, passando de 34% para 38%. Este grupo é formado por pessoas que são capazes de ler textos curtos e localizam apenas algumas informações explícitas.
O chamado nível rudimentar (nível 1), que inclui pessoas que tem a capacidade de ler títulos e frases isoladas, se manteve no mesmo percentual dos outros anos, de 30%, segundo . Os brasileiros que apresentam plena habilidade de leitura e escrita somam 26%.
A pesquisa também destacou algumas iniciativas que podem ajudar o brasileiro a compreender e interpretar textos. Uma delas é incentivar o hábito de leitura. E neste caso, foi detectado que a mãe é a pessoa que mais tem influência sobre esta prática. A pesquisa também mostrou que 75% dos entrevistados têm um dicionário em casa.
A pesquisa foi feita em todo o País com 2.002 pessoas de 15 a 64 anos, por meio de testes e um questionário.
É Lógico que a pesquisa não é atual,ela é respectiva ao ano de  2005,no entanto quase  dez anos depois você acha que melhorou?Como Professora e Escritora posso lhe assegurar que a resposta é notória:NÃO! Fiquei pensando cá com meus botões...O que fazer?

Segundo Reinal Azevedo...

"Há um coquetel de problemas que resulta nesse desastre. Embora tenham naturezas distintas, tem algo em comum: desprezam o aluno, que deixou de ser o centro da preocupação das escolas — em especial, dos educadores. Vamos ver. Os estados e municípios, pouco importa o salário que paguem, não dispõem de mecanismos para promover os competentes e punir os incompetentes.

O estado de São Paulo, na gestão Serra, instituiu um sistema de promoção salarial por mérito. A escola melhorou, provaram os exames. Os petista-cutistas da Apeoesp foram às ruas protestar. Chegaram a queimar livros didáticos em praça pública, os fascistas! Neste momento, a Apeoesp tenta negociar com a Secretaria da Educação o fim do modelo. Os valentes não querem saber de mérito. Eles gostam é do demérito que iguala todos por baixo. Os alunos que se danem! No Brasil inteiro, a educação é refém da militância política, especialmente a petista — quando não está entregue a radicais à esquerda do PT.

Embora as escolas privadas não sejam lá grande coisa, já demonstraram alguns outros indicadores, a Prova ABC evidencia que o desempenho dos estudantes dessas instituições é muito superior ao das escolas públicas. A razão é simples: a cobrança é maior.

O ensino — também em boa parte das escolas privadas, note-se — está corroído por uma doença ideológica. Boa parte dos “educadores” acredita que sua função não é ensinar português, matemática e ciências, mas princípios de cidadania, com o objetivo de formar “indivíduos conscientes”. Alunos seriam pessoas “oprimidas”, que precisam passar por um processo de “libertação”. O mal que a paulo-freirização fez à escola levará gerações para ser superado. Todos os mitos ideológicos que Paulo Freire criou com seu método de alfabetização de adultos foram transferidos para a educação de crianças e jovens. O resultado é devastador. Escrevo sobre esse assunto há anos. Era um dos temas recorrentes da revista e site Primeira Leitura.

À pedagogia “libertadora” de Paulo Freire se juntou, mais recentemente, a turma da “pedagogia do amor”, de que Gabriel Chalita é um dos formuladores. Em vez de educar, o professor liberta; em vez de educar, o professor ama. Se toda essa conversa mole der errado, há o risco até de a escola ensinar alguma coisa. O fato é que o cruzamento de Freire com Chalita resulta em ignorância propositiva e amorosa.

Enquanto objetivos claros não forem estabelecidos e enquanto as várias esferas do estado não dispuserem de instrumentos de intervenção para exigir qualidade, podem esquecer. A reação bucéfala às medidas modernizadoras implementadas pelo governo Serra, em São Paulo, demonstra que a raiz do problema é, sim, ideológica. O sindicato dos professores foi usado como mero instrumento da luta política. De dia, a presidente da entidade, a notória Bebel, fazia passeata; à noite, encontrava-se com Dilma Rousseff, candidata do PT à Presidência, e era tratada como heroína.

E uma última questão por ora: deixem um pouco o sociologismo fora disso. Essa conversa de que é impossível ensinar alunos com fome, vindos de lares desestruturados etc. não cola mais. A fome é exceção no Brasil. A imensa maioria das famílias pobres é mais organizada e hierarquizada do que as de classe média e média-alta — o tal “povo” é bastante conservador nessas coisas. Desorganizado e desestruturado, no que concerne à educação, é o estado brasileiro."


ANALFABETISMO FUNCIONAL

A UNESCO define analfabeto funcional como toda pessoa que sabe escrever seu próprio nome, assim como lê e escreve frases simples, efetua cálculos básicos, porém é incapaz de interpretar o que lê e de usar a leitura e a escrita em atividades cotidianas, impossibilitando seu desenvolvimento pessoal e profissional. Ou seja, o analfabeto funcional não consegue extrair o sentido das palavras, colocar idéias no papel por meio da escrita, nem fazer operações matemáticas mais elaboradas.

No Brasil, o índice de analfabetismo funcional é medido entre as pessoas com mais de 20 anos que não completaram quatro anos de estudo formal. O conceito, porém, varia de acordo com o país . Na Polônia e no Canadá, por exemplo, é considerado analfabeto funcional a pessoa que possui menos de 8 anos de escolaridade.

Segundo a Declaração Mundial sobre Educação para Todos, mais de 960 milhões de adultos são analfabetos, sendo que mais de 1/3 dos adultos do mundo não têm acesso ao conhecimento impresso e às novas tecnologias que poderiam melhorar a qualidade de vida e ajudá-los a adaptar-se às mudanças sociais e culturais.

De acordo com esta declaração, o analfabetismo funcional é um problema significativo em todos os países industrializados e em desenvolvimento. No Brasil, 75% das pessoas entre 15 e 64 anos não conseguem ler, escrever e calcular plenamente. Esse número inclui os 68% considerados analfabetos funcionais e os 7% considerados analfabetos absolutos, sem qualquer habilidade de leitura ou escrita. Apenas 1 entre 4 brasileiros consegue ler, escrever e utilizar essas habilidades para continuar aprendendo.

Mas como resolver essa situação? Como baixar esses números alarmantes? Sem dúvida nenhuma que a educação é o caminho. Alfabetizar mais crianças com melhor qualidade. Essa é a questão: qualidade e não quantidade.

Infelizmente, hoje vemos que o Brasil optou pela quantidade a qualquer custo. E o resultado disso é a enorme quantidade de analfabetos funcionais com diploma. O nosso país deveria se esforçar em alfabetizar com qualidade. Não é aumentando para 9 anos o Ensino Fundamental que a qualidade do ensino irá melhorar.

Também não é ampliando o horário escolar que teremos o problema resolvido. Se os alunos não forem incentivados à leitura, a atividades que trabalhem com inteligência, pensamento lógico e capacidade de relacionar temas diferentes, nenhum esforço do governo será válido.



Também não devemos nos esquecer dos professores. Melhoria nos cursos de formação dos docentes, remuneração adequada, capacitação continuada, etc. Dá trabalho, é verdade, mas o investimento na qualidade da educação é a única forma capaz de reverter esse quadro educacional brasileiro tão triste!!

Referência: INAF – Indicador de Analfabetismo Funcional







É possível estudar interpretação de texto, sim, se divertindo com isso. Abaixo fizemos uma lista de 10 sites que têm material de leitura ideal para você treinar interpretação de texto: divertidos, gratuitos e que costumam cair em concursos. Sempre que ler qualquer um dos materiais que eles disponibilizam tente fazer um resumo escrito sobre seu entendimento. Isso pode lhe ajudar muito: 

Mafalda: clubedamafalda.blogspot.com.br 

Jornal de Poesia: www.jornaldepoesia.jor.br

 o site Releituras: www.releituras.com

Malvados : www.malvados.com.br 

Calvin: depositodocalvin.blogspot.com.br

 João Ubaldo Ribeiro acessem: www.estadao.com.br/colunistas/joao-ubaldo-ribeiro

 Luis Fernando Veríssimo : www.estadao.com.br/colunistas/luis-fernando-verissimo

 Machado de Assis Machado de Assis : machado.mec.gov.br 

Turma da Mônica : http://migre.me/g8Fpm 

Garfield:tirinhasdogarfield.blogspot.com.brexercícios para emagrecer