Entre Quatro Paredes e Nada Mais LIVRO

domingo, 29 de junho de 2014





Mãe de todas as mães...

Esta existência que me é doada por dádiva divina não ordena nada a mim somente a graça de vivê-la, é o presente oferecido pelo sublime perdão que me é ofertado.
Onde a natureza serenamente cresce e um vento levemente aviva as flores trazendo o perfume e a majestosa graça e sabedoria. É o educador ensinando os seus pupilos a essência da vida e a arte de amar.
Não precisam mais nada, somente da paciência do tempo que sai como uma névoa branca como se fosse incenso de sacrifícios em agradecimento a majestade criadora.
Elas dizem ao Criador que ainda à muitas flores para serem colhidas e que o senhor é Deus bondoso.
Toquem as cornetas, desabrochem as rosas o Criador proclama a anistia pelo sangue do Cordeiro.
Aplaude flores o Criador e apregoa sua majestade que nos dá a vida eterna...
Neste universo exaltado e colorido por diversas tonalidades, o verde ao fundir com o amarelo reflete luz e os espelhos de água se plainam em diminutas gotas de águas é a chuva de bênçãos.
Nenhuma lágrima nem um agouro de aflição somente uma porta de brilho e bem apontando direção do trono a mãe de todas as mães ao lado do Senhor Jesus.


Carlos Donizeti (DA)