Entre Quatro Paredes e Nada Mais LIVRO

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Mulher-Borboleta

Arte: Sokolova Nadezhda

Queria suster-te no céu
Mas não podia
As minhas asas
Não me chegavam;
Asas de cores fortes
Mas de frágil tecido
Nasci borboleta
Ao invés de águia real.                                                       

E então me fiz mulher
Para poder caminhar contigo
No meu regaço
Posso enfim envolver-te;
Mantive as asas
Mas já não posso voar
O meu corpo está preso 
À terra
Mas só assim te poderia tocar

Já há muito fui crisálida,
Do casulo nasci borboleta
E por ti
Cresci mulher.
Mulher-borboleta.


Este poema foi originalmente publicado aqui.