IKANATON no Amazon!Confira!

sábado, 6 de junho de 2015

Ilha

Foto: Google

Juntos somos uma ilha, seduzidos pelo descanso do frenesin de ser continente nos dias comuns. Sem bússola, flutuando ao sabor das marés.
Lá fora travam-se batalhas, a janela abafa os sons dispersos que ainda tentam chegar. Cá, o elmo e a espada descansam num canto. Os nossos corpos, livres da armadura, entregam-se à leveza.
Desaparecem as feridas e esquecem-se as cicatrizes, as que nos marcam e as que se formarão.
Os teus beijos refrescam os meus lábios, matam-me a sede, sede de dias a atravessar o deserto. A minha pele respira, finalmente, aspirando o teu perfume.
Os nossos corpos são como peças num puzzle, que se constrói devagar, juntando as peças uma a uma, no lugar certo. Peça a peça se vai formando um mapa sem coordenadas, mas não precisamos de guia. O caminho surge na certeza do destino.
Perdes-te. Também eu me perco. Sem corpo. Sem armadura. Sem paredes. Eu sou tu. Tu és eu.