Entre Quatro Paredes e Nada Mais LIVRO

domingo, 19 de abril de 2015

Você Conhece a Teoria Dos Seis Contatos?

 
 
 
 
 
Apenas seis pessoas te separam de qualquer uma no planeta terra. Tire proveito disso para alavancar sua carreira e seus contatos.
Eu nunca vou conseguir chegar perto de pessoas ilustres como o Eike Batista, a presidenta da republica ou o Papa! Quem nunca pensou assim? Mas saiba que você está muito mais perto do que imaginava. É isso que diz a teoria dos Seis graus de separação.
 
 
Como tudo começou:
 
 
Em 1929 Frigyes Karinthy escreve a historia “ Correntes ” que serviu de base para a teoria dos “ Seis Graus de Separação “.
Essa teoria foi criada em 1967, através de um estudo científico por Stanley Milgram. Esse estudo provou que são necessários apenas seis laços de amizade para que duas pessoas de alguma forma estejam ligadas. Ele afirma que algum amigo de um amigo seu, conhece o amigo de um amigo de outra pessoa que você jamais iria imaginar. No experimento em 67 foram enviadas 160 cartas para pessoas pedindo que a fizessem chegar a determinada pessoa e acreditem, 42 cartas chegaram. Em 1998 Duncan Watts & Steven Strogatz repetem a experiência com email.
Mas hoje, com esse universo online e a chegada explosiva do Facebook e outras redes sociais, isso se estreitou ainda mais. Novos estudos confirmaram que agora não é mais seis e sim apenas 4,47 o número de conhecidos que separam duas pessoas. Ou seja, nada é impossível! E esse estudo só prova cada vez mais a importância de conquistar bons e variados tipos de contatos.
Portanto, acredite, se você, com menos de cinco contatos podem chegar perto de uma pessoa super importante, certamente através deles você também pode fazer bons negócios.
Expandir sua rede de relacionamentos é um bom começo para se aproximar de alguém e do que realmente você deseja. Não tenha medo vá em frente e permita-se conhecer e conquistar o mundo!

Que mundo pequeno! Quantas vezes você não ouviu ou fez esta exclamação? De repente você descobre que o amigo que é amigo do amigo daquele seu outro amigo também é seu amigo. Este tipo de coincidência que nos faz considerar o mundo pequeno pode ser explicada pela Teoria dos Seis Graus de Separação. Surgida na década de 60, ela foi a inspiração para a base de funcionamento do site de relacionamentos mais utilizado pelos brasileiros por anos, o Orkut.

Segundo a teoria, entre duas pessoas existem apenas seis contatos intermediários, mesmo que elas estejam em lados opostos do mundo. Esta ideia surgiu em 1967, quando um estudo do psicólogo americano Stanley Milgram concluiu que cada um de nós está a apenas seis graus separação de outro grupo de pessoas. Milgram chegou a este número por meio de uma experiência realizada com 160 voluntários nos estados norte-americanos de Nebraska e Kansas.

Cada participante deveria enviar uma correspondência para um morador de outro estado que ele não conhecia. Os voluntários não poderiam enviar diretamente, mas por meio de amigos e contatos que pudessem ajudar na entrega da correspondência. Ao final da experiência, Milgram concluiu que o número médio de intermediários entre os participantes da experiência era de seis pessoas.

A experiência, que ainda hoje fascina muitas pessoas, foi a inspiração para a peça Six Degrees of Separation, de Jonh Guare, e para o filme de mesmo nome do diretor australiano Fred Schepisi. Inspiração também para o mapeamento das redes sociais na internet. Hoje, são muitas as aplicações da grande rede construídas para mapear nossas redes sociais, desde os comunicadores instantâneos até as redes de negócios.

Esse estudo sobre graus de separação deu origem na internet a um jogo chamado “Oráculo de Bacon” (http://oracleofbacon.org/). Criado por um cientista da Universidade de Virgínia, Brett Tjaden, o jogo mostra como o ator Kevin Bacon se relaciona com outros artistas, americanos ou não. Por exemplo, o ator Rodrigo Santoro tem um “número Bacon” de 2, porque atuou em Redbelt (2008) com John Robert, que atuou com Kevin Bacon em Frost/Nixon (2008).

Em julho de 2006, a psicóloga Judith Kleinfeld, da Alaska Fairbanks University, analisou as anotações da pesquisa original de Milgram e verificou que 95% das cartas não haviam chegado ao seu destinatário final. Ela concluiu então que a teoria dos seis graus não passava de um mito.

Por sua vez, um estudo realizado nos Estados Unidos por pesquisadores da Microsoft concluiu que a teoria dos seis graus de separação pode estar realmente correta, embora talvez sete graus seja um número mais exato. Pesquisadores estudaram os endereços de pessoas que enviaram 30 bilhões de mensagens instantâneas usando o programa MSN Messenger durante um único mês em 2006.

Em entrevista ao jornal Washington Post, um dos pesquisadores envolvidos no projeto Messenger, Eric Horvitz, disse que ele próprio tinha ficado chocado com os resultados. "O que nós estamos vendo indica que talvez exista uma constante de conectividade social para a humanidade", disse Horvitz.

 


O banco de dados usado por Horvitz e seu colega Jure Leskovec envolveu toda a rede de mensagens instantâneas da Microsoft -cerca de metade de todo o tráfego de mensagens instantâneas do mundo - enviadas em junho de 2006. Para o estudo, duas pessoas foram consideradas conhecidas se tivessem enviado ao menos uma mensagem instantânea uma à outra.

Tentando chegar ao menor número de elos necessários para conectar todos os usuários incluídos no banco de dados, os pesquisadores concluíram que a média era de 6,6 elos e que 78% dos pares poderiam ser conectados por sete ou menos pessoas.

 

 É difícil comprovar se entre você e alguém na Austrália ou no Paquistão só existem mesmo seis pessoas, mas não há dúvida de que as redes sociais que, como o extinto Orkut, buscaram inspiração na Teoria dos Seis Graus de Separação, foram um sucesso. Quem sabe com  Facebook e seus similares sejam menos que seis as pessoas que separam você de um amigo não conhecido no Oriente?