Boto: O Prazer Vem Das Águas no Amazon!Confira!

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Restaurante é fechado pela polícia nigeriana por servir carne humana

Imagem meramente ilustrativa
Em um hotel (cujo nome não é mencionado nos mídia) da cidade de Onitsha, estado nigeriano de Anambra, a polícia prendeu, em Agosto de 2013, 11 pessoas incluindo o proprietário (além de 6 mulheres e 4 homens), por servir pratos feitos com carne humana. As autoridades também fecharam o restaurante.

Durante buscas, feitas nas instalações, os agentes encontraram duas cabeças humanas frescas' - embaladas em celofane, dois fuzis AK-47, outras armas, muita munição, duas boinas do exército e vários telefones celulares.

A iguaria não constava do menu e era vendida como um produto de alto nível. Um dos pratos principais do cardápio macabro era, justamento, o assado de cabeça. A investigação foi deflagrada depois de uma denúncia anônima.

Um vizinho do restaurante relatou: "Toda vez que eu ia ao mercado (Ose-Okwodu, local muito popular), que muito perto do hotel, eu reparava em uma movimentação estranha dentro e fora do lugar. Tinha gente estranha saindo de lá; então, não fiquei surpreso com a presença da polícia."

Um cliente do restaurante, pastor religioso que não quis se identificar, também deu seu depoimento: Eu estive no hotel no início de (2014) e, depois do almoço, me disseram que um pedaço de carne custava 2,5 euros - e isso me surpreendeu. Eu não imaginava que a carne que eu tinha comido por um preço tão alto era humana.

Na Nigéria, casos de canibalismo estão se tornando cada vez mais frequentes mas não havia evidências que carne humana estivesse sendo usada no menu de restaurantes. Em muitas ocasiões, quando o fato torna-se de conhecimento público, a população, revoltada, tenta fazer justiça por conta própria.

Em janeiro de 2013, foi divulgado o caso de dois canibais e comiam gente regularmente. Algumas horas depois da divulgação, uma multidão aglomerou-se em frente à casa dos acusados e puseram fogo na residência. A polícia chegou tarde demais.