Entre Quatro Paredes e Nada Mais LIVRO

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Canção do augusto amor

Amo-te, oh carne quente,
de sangue rubro.
Amo-te face resplandecente
das rosas de outubro.

Amo-te doce almíscar
cândido e enlevado.
Amo teu coruscar,
de sabor adocicado.

Amo a tua vontade
desmedida,
como amo minha verdade...

Amo-te sem maldade,
liberdade aguerrida
na tua insana bondade.