Boto: O Prazer Vem Das Águas no Amazon!Confira!

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Nell Morato





Porto Alegre, 01 de março de 2014.

Nicholas... Querido...

Estou me sentindo meio perdida, meio deslocada, sem ter como entrar em contato, não sei o que aconteceu com você... Por que me deixou, quem ou o que levou você para longe de mim? Quero entender o que aconteceu, mas, por mais que eu me esforce não encontro uma explicação para você ter saído da minha vida, da forma repentina como saiu. Todos os dias quando acordo pensando em você, e depois de uma noite inteira sonhando com você, meus dias passam mecanicamente, nada mais tem sentido, o meu dia ficou sombrio, e uma vontade, não, não é uma vontade, de nada mais fazer. Deitar e esperar... Quem sabe tudo voltará ao normal, quem sabe você voltará a falar comigo todos os dias. Eu sinto tanto a sua falta. Continuo esperando uma explicação... Mas quanto mais eu penso, eu sei que não quero nenhuma explicação, eu só quero você, você falando comigo todos os dias... Estou aqui me lamentando da falta que você me faz, a dor que quase me sufoca e fico pensando numa maneira de estancar essa dor, tira-la de dentro de mim. E me pergunto... Tirar a dor ou você de dentro de mim? Você é a dor ou o amor que eu sinto é a dor? Estou ficando desnorteada. Como fui me apaixonar? Sentir esse desejo inebriante que deixa meu corpo inerte e queimando... E quando você fala, porque você fala comigo, eu escuto... E você: Diz... Fala... Eu quero! Eu escuto a sua voz sussurrando em meu ouvido e sua boca tocando levemente meu pescoço e a sua respiração quase ofegante, o seu desejo... Suas mãos me despindo e acariciando a minha pele, sem pressa, tocando meu corpo suavemente e a sua boca na minha, sua língua em meus lábios, que se rendem ao seu desejo e se abrem para você entrar e me inundar de prazer... Beijo molhado, arrebatador, minhas mãos em suas costas, meus braços ao redor de seu pescoço e me deixo levar, pelo prazer da sua boca... Nunca mais parar, sensações invadem meu corpo e sinto o desejo incontrolável de despir você, arrancar suas roupas e sentir o seu corpo sobre o meu, fazer parar a fome, saciar o desejo, quero você, não poderei mais ficar sem você, sem seu corpo, sua língua na minha boca, suas mãos no meu corpo e você dentro de mim... E sua boca voraz em meu pescoço e no meu rosto, suas mãos apertando meu corpo e o desejo enfim saciado... Não! Eu quero mais... Quero mais você, e de novo, e de novo... O desejo de você não vai passar. Quanto mais eu tenho mais eu quero... Amo-te. Amor... Todos os dias são assim... Eu sonho com você me amando... E desperto exaurida e saciada, como pode? Como posso sonhar e sentir tanto prazer com você? Cada pedacinho do meu corpo implora, pelo seu corpo no meu... E quando eu acordo, eu não vejo nada, eu ligo o notebook e você não está mais lá, não tem mensagem de bom dia, que me alimentava de alegria para o dia ser feliz. Eu não entendo. Você fugiu de mim? Não gostou de mim? Eu estava com muito medo de enviar a fotografia e você não gostar de mim... E se não gostasse da minha voz? Eu ouvia você falando comigo... É eu estou louca... Louca de amor por você, por um homem lindo de cabelos castanhos... Que eu nunca vi, que eu não escuto sua voz falando comigo... Meu olfato não conhece o seu cheiro... Mas eu imagino... Imagino o perfume da sua pele... O amor tem tantas maneiras de se manifestar... Danem-se todos que irão dizer que é loucura... Eu amo você... Quando escuto as suas músicas, elas me levam para os seus braços... E você me aperta junto ao seu corpo e me olha nos olhos e sorri... E, como vou fazer se tiver que ficar sem você? Vou viver dos meus sonhos?

 

Sem nem ao menos um contato? Você não responde meus e-mails, minhas mensagens. Só me resta agora esta carta, que eu espero que você leia e me responda, por que me abandonou? Eu não queria nada... Amor... Eu não queria nada. Meu querido é mentira, eu queria você, eu quero você. Mas eu nunca tive... O que eu tive com você? Um sentimento arrebatador que tomou conta de mim quando o conheci... Que foi se alimentando com as nossas conversas no Facebook, tão perto e tão longe, um oceano imenso nos separa. E as noites lindas que passamos juntos. Lembra-se? Brincávamos que havíamos passado a noite juntos, eu com o meu computador e você com o seu, mas mesmo assim eu ouvia a sua voz... E você me cobrando, cobrando uma revelação. E eu com medo de você não gostar, ficava... Amor... Nicholas... Você me abandonou porque eu não confiei em você? Eu que dizia amar-te, não confiava em você? Nicholas... Amor... Eu fico escrevendo que eu me dei inteira para você. O que você me pedisse eu daria... Mas eu não dei nada... Palavras, apenas palavras... Enquanto você precisava que eu confiasse em você. Idiota que eu fui... Você me deu tudo... Eu olhava para a tela e via você... Lindo, e eu queria te puxar para mim... E você? Nada podia ver. Apenas uma silhueta negra... Desconhecida... Ah! Meu amor, eu só precisava enviar uma fotografia e mostrar-te como eu sou... Lembro que você falou que eu sabia como fazer... Claro que eu sabia, mas ali você ironizava a minha atitude... Sabia que eu não faria. Eu não precisava fazer quase nada... Era só enviar uma fotografia... E a voz, os empecilhos que criei para não instalar o aplicativo... Meu amor... Eu agora entendo. Perdoe-me. Perdoe-me, eu sei que não adianta mais... E palavras... Você não quer mais... Palavras soltas... Mas eu não menti em nenhum momento, me escondi de medo, acho que tive medo de você não gostar de mim. E eu me sentia protegida com aquela silhueta... Agora percebo o engano, o triste engano, a falta de confiança é o que existe de pior e sei que nunca vai me perdoar... E no momento o que posso dizer? Juntar uma fotografia a esta carta e revelar como sou? Estou me sentindo pequenina, meio disforme, um borrão, estava tão desesperada que não percebi que a culpa é minha, sentia pena de mim, do meu pobre coração que chora implorando por você... E a culpa é minha? Como fui tão cega? Como não entendi o que você tentava me dizer? Era tão fácil, só prestar atenção nas músicas. Entender o que você dizia... Meu amor! E eu tinha a pretensão de dizer que era sua amiga... Amigos confiam um no outro. E dentro de nossas limitações e de quilômetros de distância que nos separam você me deu tudo... E eu? Nada! E ainda estou com pena de mim, morrendo de compaixão por mim. Ou deveria sentir raiva, por não ter entendido como era desigual este amor? Desigual em confiança. Perdoe-me? Sei que não pode fazer. Eu agora sei... Mas eu te imploro, por favor, leia a minha carta. Por favor, eu preciso que você saiba que estou arrependida e que entendo o que não fiz... Deixe-me aplacar a minha dor. Senão não poderei continuar a viver sabendo que além de ficar sem você, eu ainda te magoei. Perdoe-me... Por favor, leia a minha carta, não a queime, não a rasgue, apenas leia... Perdoe-me... Com amor Juliana.

Nell Morato (Todos os direitos reservados)