Entre Quatro Paredes e Nada Mais LIVRO

quinta-feira, 10 de abril de 2014

AMANTES EM MÃOS por Danka Maia





Parada em meu divã,
Contemplo teu poder em dominar,
O recinto,o lugar,
E eu tua escrava,
Pairando,apenas esperando,
Que determine como
Devo me portar.


Ah e seu teu jeito emudecido me enlouquece...
Tudo que careço fazer,
É deixar que todas as nuances de teu corpo rijo,
Determine meu riso, quiça meu lamentar.
Lacrimo de prazer,
Sorrio de amar,
Porém tudo que digo,
Imponente e preciso
È que me ordene sem palavras:
_Faça o que digo!



E nessa aventura,
Me levas,
Me tens,
me encanta,
Eu vou além...



Meu terno arrebatador de sonhos e fel,
Oferta-me o mel,
E por vezes tão cruel,
Me faz gueixa,
Submissa,
Sobrepujada,
Na mordaça,
Deixo o meu eu...




Agora a hora me chama,
Madrugada seca tu me deste
Foram dores e não amores
Devo eu te abandonar?
Parte de mim ordena o Sim,
A outra impera o Não,
Contudo neste relés coração,
Há espaço em minha mente,
Mesmo que seja demente,
Mesmo que eu sofra por esforço,
É finda esta lida,
Meu suntuoso amante remorso,
Deitarei em meu sepulcro,
Deixo-te...



 Controle Remoto!